11 9.4544-5445 | 11 9.9704-4872

Notícias


07/11/2016 - 14:01:42

Afinal, a lambida de bicho faz mal?


Cães têm flora bacteriana bucal que pode trazer doenças

A boca dos animais possui flora bacteriana potencialmente patogênica para os seres humanos, mas não é comum ocorrerem doenças devido à lambedura de cães e gatos

Na última semana estava em alta um assunto que gerou muitas dúvidas nos proprietários de cães e gatos: a lambida dos animais de estimação oferece risco? Desmistificando e deixando os exageros e o sensacionalismo de lado, gostaria de colocar o meu ponto de vista para vocês, leitores, que se preocupam com a saúde e ao mesmo tempo não abrem mão de conviver proximamente dos seus bichanos com muitas demonstrações de carinho.

Não é comum ocorrerem doenças provocadas por lambidas de cães, entretanto, deve-se levar em consideração que a boca deles possui flora bacteriana diferente da humana, composta por ampla variedade de microrganismos, principalmente por bactérias, sendo as mais comuns Streptococcus Actinomyces. “A boca dos cães possui flora bacteriana potencialmente patogênica para os seres humanos, que pode causar diversas doenças se vencida a barreira de proteção da pele”, afirma o médico infectologista Alexandre Naime Barbosa, professor na Universidade Estadual Paulista (Unesp – Botucatu). É necessário que ocorra alguma solução de continuidade da pele das pessoas, ou seja, mordidas, cortes, escoriações, superfícies de mucosas ou outras feridas já estabelecidas anteriormente, para que a lambedura do animal infecte os tecidos.


Cães têm flora bacteriana bucal que pode trazer doenças

Raramente uma lambedura em pele intacta é capaz de causar algum problema. O estado da boca do cão ou do gato também influencia nessa questão, pois alguns pets apresentam o que chamamos de doença periodontal, que implica em uma inflamação e/ou infecção das gengivas, dentes e boca em geral, tornando a mordida mais perigosa. Mais de 05 bactérias podem ser inoculadas em uma única mordida perfurante, sendo as do gênero Pasteurella aquelas que mais causam infecção em seres humanos mordidos – responsáveis ou corresponsáveis por mais de 50% dessas infecções.


Raramente uma lambedura em pele intacta é capaz de causar algum problema

Sabemos que as mordidas de cachorro podem transmitir raiva, contudo, as infecções bacterianas são a principal consequência de quadros de osteomielite, artrite séptica, infecção de pele, músculos e subcutâneo, bem como possível choque séptico, além de destruição mecânica da área mordida pela laceração provocada pelos caninos. Mordidas de cães e gatos podem inocular o Clostridium tetani, presente na flora oral e responsável pelo desenvolvimento de tétano, então, se a pessoa ferida tomou a vacina há mais de 10 anos, deverá ser revacinada. Toda e qualquer pessoa mordida deve ser encaminhada para o posto de saúde ou pronto socorro mais próximo para que o médico responsável avalie e tome as condutas mais adequadas para cada caso.

O ideal é que se evite a lambedura de cães e gatos principalmente em áreas onde a pele está ferida, boca, olhos e outras mucosas, pois são os locais onde existe maior chance de inoculação de bactérias que podem ser patogênicas. Lambidas em pele íntegra dificilmente serão capazes de causar doenças, desde que o cão ou gato estejam saudáveis, limpos, vacinados e vermifugados. Vale lembrar que os animais de estimação costumam lamber o chão e naturalmente higienizam seus pelos e partes íntimas com a língua, então, devemos evitar que eles nos lambam na face pela proximidade da boca e olhos, pois algumas doenças podem ser transmitidas pelas fezes, como verminoses e protozoários gastroentéricos, tal qual a Giardia.


Lambidas em pele íntegra dificilmente causam doenças, desde que o pet esteja saudável, limpo, vacinado e vermifugado

Devemos ressaltar que o estado imunológico da pessoa influencia na susceptibilidade às infecções. Pessoas com doenças imunodepressoras ou que utilizam medicamentos que comprometam a imunidade (quimioterapia, por exemplo), neonatos e idosas apresentam maiores chances de desenvolverem infecções. Todavia, os benefícios psicológicos que os animais de companhia trazem são imensos e o risco de adquirir infecções desses animais é baixo quando algumas precauções são tomadas. O adoecimento muitas vezes segrega pessoas com AIDS de seus amigos e familiares, por exemplo, enquanto os animais de estimação promovem amizade e companhia permanente. Assim, podemos concluir que perder seus “companheiros” é muito mais deletério para o bem-estar desses pacientes do que o risco de adquirir uma infecção com potencial zoonótico. Toxoplasmose, giardiase, campilobacteriose e doenças fúngicas são as mais comuns e que podem ser transmitidas de cães e gatos para oss seres humanos, entretanto, alguns cuidados simples como lavar as mãos após trocar a caixinha de areia do gato e/ou recolher as fezes do chão e sempre antes de comer, manter a pelagem dos pets sempre limpa e saudável evitam a transmissão direta. Grávidas também não precisam se livrar de seus queridos cães ou gatos, contanto que sigam essas medidas de higiene.

O convívio com animais de estimação pode ser estreito desde que os pets sejam levados ao médico veterinário com frequência, a fim de que o profissional oriente o proprietário sobre vermifugação esporádica, vacinação anual, cuidados com higiene e tratamento de doenças com potencial zoonótico. Desta forma, é permitida e benéfica a convivência com eles dentro de casa de uma maneira salutar, próxima e segura para adultos e crianças! Viva a lambida!:)


É benéfica a convivência com os pets dentro de casa de uma maneira salutar, próxima e segura para adultos e crianças

Fonte: Portal Info Horse



Voltar